Atualidade & Opinião

Jamor: de Símbolo da luta ambiental para Símbolo do descaso ambiental

No fim de 2019, a capa da TIME colocava a foz do rio Jamor, em Oeiras, no centro das atenções do mundo, como cenário de ar mágico para abrigar a indicada ao Nobel da Paz, ativista climática e ambiental Greta Thunberg, que seria reconhecida então como Person of The Year, e que posteriormente também receberia o Prémio Gulbenkian Para a Humanidade, no nada modesto valor de um milhão de euros. Quando Evgenia Arbugaeva fez a fotografia, nem ela, nem a ativista, imaginavam que aquela praia estaria mais ameaçada do que nunca.

Foto: Evgenia Arbugaeva

No decorrer dos anos, o Jamor tem sido ameaçado por uma série de projetos que parecem não levar minimamente em consideração sua importância ecológica. Desde o plano do troço final da Linha Intermodal Sustentável (LIOS) que adentra o Complexo Desportivo do Jamor (e assim inviabiliza o uso da mata para utentes e coloca veículos pesados para transitar numa área verde e de recreação), até o projeto megalomaníaco de “Porto Cruz”, que destruirá o habitat natural onde justamente a TIME fotografou a ativista Greta. 

Além da falta de sensibilidade ambiental, o projeto de “Porto Cruz” também possui diversos problemas de transparência, e, inclusive, em 2018, a própria Câmara de Oeiras foi alvo de buscas judiciais, em uma investigação sobre tráfico de influência, corrupção passiva e ativa, participação económica em negócio e abuso de poder, conforme informou a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa e noticiado pelo Público.

No entanto, não é apenas a foz do rio que vem sendo severamente atacada. A Associação Vamos Salvar o Jamor já reportou, dentre outros, descargas de esgoto oriundo de Linda-a-Velha diretamente no rio Jamor. Quanto aos ecossistemas ao redor, é comum notícias de projetos como vias expressas ou construções em áreas de reserva ecológica ou ecossistemas sensíveis.

Oeiras não precisa de mais betão ou projetos à Dubai para se modernizar. A beleza natural da costa deve ser aproveitada, recuperada, e não transformada. As praias podem e precisam ser limpas, voltarem a ser atrativas para a população local e também de fora. É muito mais saudável e moderno recuperar as praias de Oeiras do que passar pedras e tijolos por cima delas, causando diversos problemas ambientais e gerando lucro para poucos. O interior do concelho também deve ter suas áreas verdes preservadas, não cimentadas.

A luta contra a crise climática, assunto tão falado em todas as esferas, deve ser feita em todos os níveis, inclusive em níveis municipais. A destruição do Jamor e arredores significa a destruição de um habitat, de uma natureza ali existente, que não faz sentido e não traz benefícios para a população em geral. Cabe à Câmara de Oeiras refletir melhor sobre suas prioridades para o concelho, porque já sabemos que a destruição ambiental não é característica de modernidade tecnológica, tampouco de bem estar para os munícipes. 

Abel Rodrigues, ativista da Greve Climática Estudantil.

Artigo Originalmente publicado no Público, no dia 11 de Fevereiro de 2021.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *