Nós e o mundo

Portugal livre de contratos de exploração de combustíveis fósseis – e agora?

Em 2015, existiam 15 contratos de exploração de recursos energéticos fósseis no território continental de Portugal. Hoje, não existe nenhum. 

Até há pouco tempo, sobravam duas concessões para a exploração de gás na Bajouca e em Aljubarrota: Batalha e Pombal. O não cancelamento destes contratos para prospeção e exploração de gás fóssil em território português era conivente com a atitude do nosso governo: inação climática. Estes contratos, para além de ruinosos financeiramente, eram ruinosos para as populações locais e contribuíam para o aumento das emissões globais de gases com efeito de estufa. 

Sabemos agora que também estas duas concessões foram canceladas, e por decisão da empresa, Australis Oil & Gas Portugal, que desistiu do projeto – segundo a Direção-Geral Energia e Geologia (DGEG). O contrato tinha sido assinado pelo Estado português em setembro de 2015; cinco anos depois, dia 30 de setembro de 2020, a sua renúncia deverá ter efeito.

Esta renúncia constitui uma grande vitória para a população da Bajouca, que se fez ouvir e lutou contra estas explorações. É de frisar que o Governo se recusou a cancelar a maioria dos contratos, deixando a decisão às próprias empresas: os cancelamentos destes contratos, que nos levariam ao caos climático, foram contra a vontade do governo e maiorias parlamentares. 

Vivemos num país cujo governo se gaba das suas políticas ambientais – insuficientes a todos os níveis – enquanto ignora as vozes que cada vez gritam mais alto, evidenciando a sua desresponsabilização e incapacidade de lidar com a crise climática. 

A enorme mobilização social contra estas explorações não passou despercebida: desde greves climáticas, protestos em massa, ações diretas, campanhas até ao Camp in Gás – primeiro acampamento de ação climática na Bajouca -, tanto população local como coletivos e ativistas pela Justiça Climática lutaram durante anos e hoje, celebra-se. 

Acabar com as concessões petrolíferas e de gás ainda existentes em Portugal marca uma vitória para o movimento de Justiça Climática, mas ainda há um longo caminho a percorrer e o tempo está a esgotar. A luta contra a exploração de hidrocarbonetos urge, ainda, revogar a legislação que permite o lançamento de novas concessões petrolíferas no país e a aprovação de uma lei que proíba a exploração de hidrocarbonetos em Portugal.

No dia 25 de setembro, o Salvar o Clima voltou às ruas numa Mobilização Climática Global pela Justiça Climática. 

A transição energética justa que a sociedade Portuguesa urgentemente necessita passa por uma requalificação justa dos trabalhadores dos setores poluentes, nomeadamente das centrais termo-elétricas de Sines e do Pego; pelo fim das concessões para explorar combustíveis fósseis em Portugal; pelo investimento e a eletrificação da ferrovia; pela criação de um setor público que lidere o processo de produção de energia renovável; pelo cancelamento de quaisquer grandes projetos que acarretem um aumento de emissões de gases com efeito de estufa; pelo acesso equitativo a água potável e a alimentos, pelo acesso à habitação de qualidade a toda a população. É mais importante que nunca continuar a crescer a onda de mobilização por Justiça Climática. 

Para transformar a economia e a sociedade, será necessário um nível de mobilização sem precedentes na sociedade mundial, incluindo na sociedade portuguesa. Não ficaremos de braços cruzados. 

Bianca Castro, ativista da Greve Climática Estudantil

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *